Gerais a dentro a fora: identidade e territorialidade entre Geraizeiros do Norte de Minas Gerais
  • Gerais a dentro a fora: identidade e territorialidade entre Geraizeiros do Norte de Minas Gerais

Gerais a dentro a fora: identidade e territorialidade entre Geraizeiros do Norte de Minas Gerais

Sku: 3

Categoria: Livros

ISBN: 978-85-60443-54-3

Quantidade Disponivel: 106 Un

Unidade: Un
Un

Por R$ 45,00

ou em 4x de R$ 11,25

Ver parcelas
1xdeR$ 45,00 Total: R$ 45,00
2xdeR$ 22,50 Total: R$ 45,00
3xdeR$ 15,00 Total: R$ 45,00
4xdeR$ 11,25 Total: R$ 45,00
Frete e Prazo

Simule o frete e o prazo de entrega estimados para sua região:

Descrição do Produto
História, cultura, territorialidade e outros aspectos da vida de Geraizeiros no Norte de Minas Gerais compõem as páginas do livro “Gerais a dentro a fora: identidade e territorialidade entre Geraizeiros do Norte de Minas Gerais”, de Mônica Nogueira.
Informações do Produto
História, cultura, territorialidade e outros aspectos da vida de Geraizeiros no Norte de Minas Gerais compõem as páginas do livro “Gerais a dentro a fora: identidade e territorialidade entre Geraizeiros do Norte de Minas Gerais”, de Mônica Nogueira. A publicação inaugura a Coleção Mil Saberes, novo selo da Editora Mil Folhas, do Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB), e será lançada no dia 8 de abril, às 17h, no Ernesto Cafés Especiais, em Brasília. Foram 10 meses de incursão pelo cerrado do Norte de Minas com o objetivo de dar visibilidade a comunidades que ganharam vida nos personagens de Grande Sertão Veredas, de Guimarães Rosa. “A ideia surgiu a partir da percepção de que, apesar de estarem no imaginário brasileiro a partir da obra de Guimarães Rosa, os geraizeiros não tinham um reconhecimento como sujeitos reais e presentes nem por parte de outros povos e comunidades tradicionais”, explica Mônica Nogueira. Coordenadora do Mestrado em Sustentabilidade junto a Povos e Terras Tradicionais da UnB, a autora conta que parte da história recente dos geraizeiros é marcada pela expropriação territorial que sofreram com o plantio de eucalipto. Segundo ela, esse processo foi favorecido pela invisibilidade dessas comunidades. “É preciso ampliar o reconhecimento da experiência geraizeira, sobretudo tendo em vista a brutalidade a que essas comunidades têm sido submetidas nas últimas décadas”.
Avaliação dos Clientes
  • Nenhum comentário foi postado para esse produto, seja o primeiro!